Nós Matámos o Cão Tinhoso

Nós Matámos o Cão Tinhoso

 

 

NÓS MATÁMOS O CÃO TINHOSO

Grande Auditório

12, 13, 14 e 15 Outubro, ás 21h30

M/12

10€ (com descontos 7,5€ estudantes e profissionais do espectáculo)

Cão Tinhoso é um projecto sobre o que nos une: Portugueses e Africanos e “sobre coisas que, acontecendo à minha volta, se relacionem intimamente comigo ou traduzam factos que me pareçam decentes.” Essa tarefa de observar, escutar, absorver e devolver depois aos outros o que é oferecido pelos mundos exteriores e interiores numa imperfeita alquimia de transformação é uma ambição que nos assalta e alimenta a permanente interrogação sobre o papel das artes e dos artistas nas sociedades contemporâneas. África é por isso e também a nossa mãe como algures se escuta e se diz em canção. Sentimos uma profunda necessidade de desafiar a nossa circunstância e a humanidade que nos sustenta. Necessitamos de enfrentar os desequilíbrios que nos impedem de estar próximos das almas de que somos feitos. Precisamos de alma como de pão. “Nós Matámos o Cão-Tinhoso” é narrado através dos olhos de um menino moçambicano negro, chamado Ginho. A história desenvolve-se à volta de um cão vadio que está doente, abandonado e a morrer. Ginho é objecto de troça da parte dos seus colegas da escola, inclusivamente durante os jogos de futebol. Ele começa a sentir pena do cão e desenvolve um sentimento de empatia em relação a ele. Um dia, o Ginho e um grupo de rapazes da sua idade são persuadidos e chantagistas pelo Doutor da Veterinária para matar o cão. O Senhor Duarte representa esta acção como um jogo de caça e tenta convencê-los como um amigo. Apesar do Ginho estar emocionante ligado ao cão, ele sente-se pressionado para matá-lo, de modo a ser aceite pelos seus colegas. Apesar de muitas discussões e pedidos aos outros meninos, ele não consegue convencê-los a não matar o cão. A história acaba com o cão tinhoso morto e Ginho morto em parte dentro de si por ter participado deste crime.

Ficha Técnica e Artística

A partir dos textos Nós Matámos o Cão TinhosoInventário de Imóveis e Jacentes de Luis Bernardo Honwana

Direcção e Encenação: João Garcia Miguel

Assistente Encenação: Rita Costa

Interpretação e co-criação: Sara Ribeiro e Frederico Barata

Música: Ricardo Martins e Joana Guerra

Figurinos: Sara Ribeiro e João Garcia Miguel

Assistência de Cenografia: Rita Prata

Realização de objecto cénico: António Cinzas

Apoio técnico à cenografia: Rui Viola

Direcção Técnica e Desenho de Luz: Luís Bombico

Direcção de Som: Manuel Chambel

Produção Executiva: Raquel Matos

Apoio à Produção: Tiago Câmara Pereira

Assessoria de Imprensa: Alcina Monteiro e Joana Rosa

Comunicação: Alcina Monteiro e Sara Ribeiro

Fotografia, Vídeo, Design: João Catarino

A Cia JGM é uma estrutura financiada pela DGArtes, Governo de Portugal, Câmara Municipal de Lisboa e IEFP.

Uma co-produção: Teatro Cine de Torres Vedras, Câmara Municipal de Torres Vedras, A Oficina, Centro Cultural Vila Flor, Centro Cultural de Ílhavo, Cia Jgm, Teatro-Ibérico, Anim’art, Globo Dikulu e Junta de Freguesia do Beato.

Apoios: AUDEX, Cine Teatro Louletano e Câmara Municipal de Loulé, Rui Viola Produções, Companhia Olga Roriz

 

Reservas:

bilheteira@teatroiberico.org

www.facebook.com/teatroiberico

Tlf: 218682531

Tlm: 927510092